• SENSU

As mulheres no front do jornalismo científico

Na linha de frente de uma batalha não estão apenas os soldados. Estão também mulheres combatentes, assim como enfermeiras, médicas e voluntárias. Assim foi na Peste Bubônica, que assolou a humanidade no século XIV; um século atrás, com a Gripe Espanhola; nas duas Grandes Guerra Mundiais e nas recentes epidemias de ebola e zika vírus. Motivado pela globalização, o interesse pelo jornalismo vem em uma crescente a cada novo evento e, com ele, cresce também a presença das mulheres no front da notícia.


Desde março, a agenda jornalística, como um todo, está monotemática. Covid-19 não se restringe às editorias de saúde e ciência, impactando também a rotina de quem trabalha com notícias de política, economia, relações internacionais, esportes, entretenimento... Na pandemia, profissionais dos veículos da grande mídia estão em evidência e mais expostos, não apenas à audiência, como também aos efeitos colaterais de se estar na linha de frente da cobertura.


Como forma de homenagear as mulheres que atuam à frente da informação durante a pandemia de Covid-19 e de todo cenário que cerca este tema, a revista Marie Claire, da Editora Globo, traz na edição de julho/agosto, disponível nas bancas desde o dia 17, uma reportagem de capa com o perfil de 25 jornalistas que têm cumprido a missão de levar informação de qualidade para a sociedade.


Além da matéria na edição impressa, outros conteúdos foram produzidos para as plataformas digitais, assim como Lives que contam a trajetória destas profissionais, que atuam como em repórteres, âncoras, apresentadoras, comentaristas, colunistas, correspondentes, assim como em cargos de ombudsman e fotojornalista.


As homenageadas, seguindo a ordem de páginas da revista, são Maju Coutinho (Globo), Andreia Sadi (Globo), Aline Midlej (Globo), Clarissa Oliveira (Grupo Bandeirantes), Flávia Lima (Folha de S.Paulo), Flávia Oliveira (Globo), Gabriela Biló (Estado de S.Paulo), Natuza Nery (Globo), Poliana Abritta (Globo), Vera Magalhães (TV Cultura, Estado de S.Paulo e BR Político), Ana Paula Araújo (Globo), Camila Bomfim (Globo), Camila Mattoso (Folha de S.Paulo), Candice Carvalho (Globo), Cecília Oliveira (The Intercept Brasil), Christiane Pelajo (Globo), Cláudia Collucci (Folha de S.Paulo), Cristiane Segatto (UOL), Danielle Chiaretti (Valor Econômico), Daniela Lima (CNN), Helena Bertho (Revista Azmina), Julia Dualibi (Globo), Patrícia Campos Mello (Folha de S.Paulo), Renata Vasconcelos (Globo) e Tatiana Vasconcelos (Globo).


Nesse pelotão, estão representantes de imensas frentes de batalhas em redações, produtoras e agências, incluindo as profissionais que trabalham o tema Covid-19 no âmbito do jornalismo científico. Entre as expoentes homenageadas pela Marie Claire, estão duas especialistas em cobertura de saúde e ciência, casos de Cláudia Collucci, repórter especial e colunista da Folha e Cristiane Segatto, colunista do UOL Viva Bem. Ambas são grandes inspirações para quem atua ou deseja ingressar na cobertura de temas de saúde. Elas agregaram para suas carreiras uma sólida formação acadêmica. Cláudia Collucci é mestra em História da Ciência pela PUC-SP, especialista em Gestão de Saúde na FGV e realizou dois fellowships nos Estados Unidos, sendo um sobre o conflito de interesses entre a indústria farmacêutica e a classe médica e outro sobre este conflito de interesses voltado para a relação com o jornalismo de saúde e ciência.


Em entrevista à Marie Claire, Cláudia afirma que “entender a diferença entre um estudo experimental e um estudo clínico é essencial. E nada disso a gente aprende na faculdade”. Conhecimento que ela adquiriu ao investir em sua educação e, com isso, transmite ao público, com clareza, por meio de suas reportagens e artigos na Folha há mais de duas décadas.


Cristiane Segatto, que é colunista especial da editoria Viva Bem do Portal UOL desde março de 2019, atuou entre 1998 e 2018 na revista Época, tendo conquistado dois prêmios ESSO de Jornalismo. Cristiane, graduada em jornalismo pela FIAM e mestra em gestão em saúde pela FGV, destacou na entrevista à Marie Claire que, como todos no jornalismo estão falando do novo Coronavírus, antes de cada reportagem ela sempre se faz a pergunta: “O que uma profissional que cobre o assunto há 25 anos pode oferecer neste momento?”. A resposta está em cada coluna que ela publica às quartas-feiras no UOL.


Moura Leite Netto - Jornalista e sócio da SENSU

87 visualizações0 comentário